1.jpg

O senador João Capiberibe (PSB) informou ao governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), que por meio de emenda parlamentar destinou R$ 2 milhões ao Fundo Estadual de Saúde, cujo recurso pode ser usado para compra de equipamentos e que o governo precisa ficar atento porque o sistema do Ministério da Saúde pode abrir a qualquer momento para que os técnicos insiram os dados.

O senador Capi e deputada Janete, ambos do PSB, já destinaram nos últimos anos mais de R$ 35 milhões em emendas tanto para o governo do Estado quanto para as prefeituras dos 16 municípios.

No entanto, o senador socialista volta a cobrar que o governo faça uso adequado desses recursos e lamenta que três aparelhos de videolaparoscopia, comprados em agosto de 2017, com recurso de sua emenda, estejam parados, por falta de insumos. Com uso desses aparelho, o cirurgião faz uma pequena intervenção no paciente onde insere uma microcâmera de vídeo geralmente através de uma pequena incisão na região abdominal do paciente para sua realização.

Pelo método tradicional, o paciente fica internado por até duas semanas, quando faz procedimentos cirúrgicos como retirada da vesícula, baço ou apêndice, hernias do abdômen, entre outros. Com a videolaparoscopia, em 48 horas o paciente é liberado, evitando risco de infecção hospitalar, já que não há a necessidade de grandes incisões, garantindo um tempo menor para a recuperação, menos incômodos e reduzindo os custos com sua internação.

"A sociedade precisa se mobilizar e cobrar para que esses e outros equipamentos sejam instalados e usados. Ganha o cidadão, com um procedimento rápido, ganha o Estado, que oferece um serviço de qualidade a população", comentou o senador.

A campanha eleitoral no Amapá fugiu das características das demais, analisou em pronunciamento nesta quinta-feira (8) o senador João Capiberibe (PSB-AP).

Ele disse que não pretendia se candidatar ao governo do Estado, mas o fez por não encontrar outro candidato para apoiar “na luta contra a corrupção". João Capiberibe considera ter sido prejudicado por decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que anulou antecipadamente os votos dados a sua chapa, formada pelo PSB e pelo PT.

A medida do TRE manteve a candidatura do senador, mas excluiu o PT da eleição — e, por consequência, a chapa de João Capiberibe — pela não prestação de contas dos gastos do Fundo Partidário. O parlamentar ressaltou que, embora o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tenha anulado a decisão dois dias antes do pleito, o “estrago já tinha sido feito”. “O TRE não tinha poder para, numa reunião administrativa, ao arrepio da lei, determinar a nulidade dos nossos votos”, lamentou.

Assista o discurso na íntegra:

 

 

 

Brasília, 09/11/2018 – O recurso da deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP) para anular a eleição de 07 de outubro para o cargo de senador e realizar novo pleito subiu ao Tribunal Superior Eleitoral, nesta quinta, 08. O agravo de instrumento (processo número 0601625-03.2018.6.03.0000) foi redistribuído ao ministro Og Fernandes, que vai decidir monocraticamente aceita-lo ou não. Decidindo recebe-lo, fará o relatório cujo mérito – a realização de novo pleito – será julgado pelo Plenário do Tribunal. Caso a decisão seja favorável ao recurso de Janete e da coligação Com o Povo Pra Avançar, uma nova eleição será realizada 90 dias após a decisão.

Janete Capiberibe e a coligação Com o Povo Pra Avançar pedem a anulação da eleição para o Senado, realizada em 07 de outubro, alegando prejuízo pela decisão administrativa do TRE-AP na véspera, 06, quando o tribunal regional resolveu declarar nulos os votos que fossem dados a ela e ao candidato ao governo João Capiberibe. A decisão do TRE-AP se deu enquanto ainda havia recurso em tramitação no Tribunal Superior Eleitoral, foi provocada por um membro do tribunal regional e não teve a instauração de processo formal, apesar da gravidade da medida. Tanto que, na noite do dia 7, às 18h45min, o ministro Og Fernandes, do TSE, derrubou a decisão do TRE. Em 16 de outubro, o TSE decidiu pela validade dos votos de João Capiberibe ao governo e, dia 23, em decisão publicada neste dia 07, o ministro Og Fernandes considerou prejudicado o recurso de mesmo teor para Janete Capiberibe, pois a eleição já está encerrada.


A desembargadora Sueli Pini, dando razão ao recurso de Janete para anulação do pleito e realização de nova eleição, afirmou, em seu voto, que “a decisão então nominada ‘administrativa’, deste tribunal, tomada na véspera do pleito, foi exclusivamente de forma verbal, sequer foi instaurado um procedimento formal, na contramão dos requisitos dos processos, mormente dos de cunho decisório, como no caso”.
Todas as pesquisas eleitorais até a véspera do pleito mostravam que Janete Capiberibe ocuparia a segunda vaga para o Senado, com larga margem à frente do 3º colocado. A decisão do TRE, divulgada amplamente nas rádios, TVs e redes sociais na véspera e no dia da eleição em primeiro turno, causou dúvida no eleitor e perda de votos da socialista, que não alcançou a vaga por 3.063 votos, 0,4% de diferença em relação ao candidato eleito.
O TRE-AP rejeitou o recurso, por isso a coligação recorreu ao TSE.

Fontes:
Luciano Del Castilo (advogado da coligação PSB/PT) – 96 9 9156 3428
Camilo Capiberibe (Deputado Federal eleito – representante do PSB-AP) – 96 9 9208 0040

Pagina 3 de 29
bannerda tv

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2017

00000001

capi sustentavel

livro morte nas aguas

capi youtube
Sua ideia pode virar Projeto de Lei

Newsletter

  1. Twitter

Endereço

Ala Sen. Afonso Arinos - Gab. 08
CEP: 70.165-900 Brasília/DF
Telefone: (61)3303-9011
Fax: (61)3303-9019
Email:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.