O senador João Capiberibe e a deputada Janete Capiberibe participaram hoje à tarde (20) da abertura da exposição de artesanatos, biojoias e vestuário da Escola de Pesca de Santana. A exposição fica até 22 de junho no Espaço Mário Covas, na Câmara dos Deputados, e os professores e estudantes da Escola de Pesca serão os monitores da exposição na capital federal.

As biojoias, roupas e calçados são confeccionados com peles e escamas de várias espécies de peixes, como acaraçu, tamatá, pirarucu, tilápia, amanã, sarda, pescada amarela, entre outras.

Capiberibe destacou que a Escola de Pesca de Santana foi criada quando ele governava o Amapá e a deputada Janete era secretária de Indústria, Comércio e Turismo, e que a Escola de Pesca foi implantada, dentro das diretrizes do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá – PDSA.

“A Escola foi planejada para se construir algo diferente, dentro dos moldes do desenvolvimento sustentável, do equilíbrio entre o homem e a natureza e do incentivo à cadeia produtiva. E faço aqui um reconhecimento, se não fossem vocês com entusiasmo e dedicação, essa escola já tinha fechado as portas e mesmo com as precariedades, ela continua existindo e resistindo”.

A deputada Janete ressaltou que os produtos produzidos pela Escola de Pesca são fontes de renda para a população que fazem esse artesanato e fomentam o turismo sustentável com desenvolvimento social e econômico do Estado do Amapá. “A escola continua oferecendo educação técnica de qualidade para os jovens do nosso Estado e, principalmente, de Santana”.

Vale lembrar que para fortalecer o trabalho da Escola de Pesca de Santana, a deputada Janete Capiberibe destinou emenda de R$ 150 mil para aquisição de uma van para o transporte de alunos, artesãos e professores, cuja aquisição já está na tomada de preços. Ela se comprometeu de colocar mais R$ 1 milhão, em 2019, para implantar na Escola uma indústria de pescados.



Textos Sizan Luis Esberci e Greicy Pessoa

Fotos: SÉRGIO FRANCÊS

Segmentos de diversos setores da sociedade amapaense participaram na manhã desta segunda-feira, 18, de uma audiência pública para debater o Projeto de Lei do Senado (PLS) 278/2016, que altera a lei brasileira de inclusão das pessoas com deficiência, no qual o senador João Capiberibe (PSB) é relator.

A próxima audiência ocorrerá no dia 28 deste mês, em Brasília, na Comissão de Educação do Senado Federal. No Amapá, a exemplo de todo Brasil, o ponto de polêmica da proposta, cujo autor é o senador Romário (PSB), é o artigo 28, inciso XVII, parágrafo 4.

Resumidamente neste ponto a lei diz que será admitido, mediante prévia anuência da instituição de ensino, que o estudante com deficiência ou sua família contratem profissional de apoio escolar de sua própria escolha, responsabilizando-se, neste caso, pelo pagamento de sua remuneração e quaisquer encargos. E é a partir deste que daí surgem perguntas do tipo: e quem não tem dinheiro? Ou polêmicas de que a lei ao invés de ajudar vai aumentar ainda mais a exclusão.

O presidente da Associação de Cegos e Amblíopes do Amapá, João Batista, disse, por exemplo, que a sociedade precisa compreender mais cada detalhe desta proposta e ao mesmo tempo evitar que ela crie barreira sociais.

O presidente da Comissão Especial de Direitos das Pessoas com Deficiência da OAB/AP, Alessandro Silva, falou que o Brasil é bem servido de leis que apoiam a pessoa com deficiência, mas falta garantir de fato o cumprimento dessa lei, porém, para que isso ocorra, é necessário garantir a integração dos poderes e participação efetiva da sociedade.

O temor da representante da Secretaria Municipal de Educação, Ely do Socorro, é evitar regressão dos direitos já adquiridos. “O principal ponto diz respeito ao cuidador, onde quem tem dinheiro pode ter um dentro da sala de aula e quem não tem fica só olhando. Não podemos permitir isso”, destacou.

A coordenadora Municipal de Mobilidade e Acessibilidade da prefeitura de Macapá, Raquel Capiberibe, defende que cuidador dentro da sala de aula é dever do poder público e não do cidadão e que a lei, da forma que está, é prejudicial as pessoas que possuem deficiência.

Segundo dados apresentados pela deputada Cristina Almeida (PSB), que mediou a audiência pública, somente 26% das escolas do Brasil estão aptas para receber pessoas com deficiência e que dos 700 mil alunos com deficiência matriculados 93% estão na escola pública. “A sensação que temos é que essa lei tem o propósito de beneficiar os 7% dessa parcela que pode pagar um profissional para cuidar exclusivamente do seu filho”, pontuou a deputada.

Por conta de tantas polêmicas, a solução apresentada ao senador Capiberibe, que é o relator da matéria, é que seja apresentado um substitutivo à lei corrigindo essas falhas e garantindo que o Estado possa olhar com mais carinho para as crianças que desejam a inclusão social.

“Nosso objetivo com essa audiência é justamente relatar uma lei que vá de encontro aos anseios da sociedade, que beneficie, inclua e não exclua e as propostas apresentadas aqui serão defendidas em Brasília e quem sabe até não podemos apresentar um substitutivo com base no que foi debatido no Amapá”, informou o senador.

Por fim a deputada Cristina Almeida lamentou que órgãos importantes neste debate, que foram convidados, como Secretaria de Estado da Educação, Ministério Público Federal e Estadual, não enviaram representantes.

 

O senador João Capiberibe (PSB/AP) destacou em seu discurso no plenário desta quarta-feira (30) a desesperança que se instalou entre o povo brasileiro e a falta de perspectiva para a solução da crise que se firmou no Brasil e está obstruindo a democracia. “A cada dia uma novidade, são inúmeras as operações da Polícia Federal para combater os desvios de recursos públicos e a corrupção. Claramente temos um distanciamento entre a representação política e seus representados”, afirmou.

Capiberibe repetiu o que sempre diz em seus pronunciamentos, que a sociedade não se sente representada pelo Governo atual, que é inoperante e sem legitimidade. “Proponho uma solução de médio e curto prazo para o problema da legitimidade democrática e da participação popular, que é o controle social mais rígido em torno das ações do Estado”.

O parlamentar explicou sobre a Gestão Compartilhada. “É um projeto que permite aos cidadãos organizados em grupos de Whatsapp acompanharem a execução de obras, serviços públicos ou compras governamentais, ou seja, acompanharem os gastos públicos. É colocar nas mãos do cidadão uma eficiente ferramenta de controle social”. Esse projeto já foi aprovado por unanimidade no Senado e está pronto para ser votado na Câmara dos Deputados.

Capiberibe acredita que por meio da Gestão Compartilhada será possível finalmente o encontro entre os representantes políticos e o cidadão, que terá o controle social dos mandatos e também da condução do Estado Brasileiro”.

Vale destacar que o senador socialista possui um aplicativo que permite que a sociedade acompanhe as ações do seu mandato e vai além, permite que o cidadão participe, opine e seja um verdadeiro agente fiscalizador.

“ O abismo entre a sociedade e seus representantes precisa ser encurtado através do uso da tecnologia, das redes sociais, para acompanhar nossas atividades e todas as nossas ações”, disse Capiberibe.

Confira a íntegra do discurso aqui:

Pagina 10 de 29
bannerda tv

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2017

00000001

capi sustentavel

livro morte nas aguas

capi youtube
Sua ideia pode virar Projeto de Lei

Newsletter

  1. Twitter

Endereço

Ala Sen. Afonso Arinos - Gab. 08
CEP: 70.165-900 Brasília/DF
Telefone: (61)3303-9011
Fax: (61)3303-9019
Email:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.